24 de junho de 2013

AMÁLIA RODRIGUES - Fado Lisboeta [Recomendado]


Fado
1993
Bitrate 256 kbps
[cd quality]

Tornou-se conhecida mundialmente como a Rainha do Fado e, por consequência, devido ao simbolismo que este género musical tem na cultura portuguesa, foi considerada por muitos como uma das melhores embaixadoras do país. Aparecia em vários programas de televisão pelo mundo fora, onde não só cantava fados e outras músicas de tradição popular portuguesa, como música de outras origens (por exemplo, música espanhola). A sua faceta de cantora revela-se cedo. Na infância e juventude, cantarolava tangos de Carlos Gardel e canções populares que ouvia e lhe pediam para cantar. Aos 14 anos decide ir viver com os pais que entretanto regressaram a Lisboa. Aos 15 anos, vai vender fruta para o Cais da Rocha e torna-se notada devido ao especialíssimo timbre de voz. Integra a Marcha Popular de Alcântara (nas festividades de Santo António de Lisboa) de 1936. O ensaiador da Marcha insiste para que Amália se inscreva numa prova de descoberta de talentos, chamada Concurso da Primavera em que se disputava o título de Rainha do Fado. Amália acabará por não participar, pois todas as outras concorrentes se recusavam a competir com ela. Alcança tremendo êxito no Retiro da Severa, onde faz a sua estreia profissional e torna-se a vedeta do fado com uma rapidez notável. Passa a atuar também no Solar da Alegria e no Café Luso. Sendo o nome mais conhecido de todos os cantores de fado, faz com que por onde atuasse as lotações se esgotem, inflacionando o preço dos bilhetes. Em poucos meses atinge tal reconhecimento e popularidade que o seu cachet é o maior até então pago a fadistas. Estreia no teatro de revista em 1940, como atracção da peça Ora Vai Tu, no Teatro Maria Vitória. No meio teatral encontra Frederico Valério, compositor de muitos dos seus fados. Em 1943 actua pela primeira vez fora de Portugal, a convite do embaixador Pedro Teotónio Pereira, que a leva a cantar em Madrid. Em 1944 consegue um papel proeminente, ao lado de Hermínia Silva, na opereta Rosa Cantadeira, onde interpreta o Fado do Ciúme de Frederico Valério. Em Setembro, chega ao Rio de Janeiro acompanhada pelo maestro Fernando de Freitas para se apresentar no Casino Copacabana. Aos 24 anos Amália tem já um espetáculo concebido exclusivamente para ela. É no Rio de Janeiro que Frederico Valério compõe um dos mais famosos fados de todos os tempos: Ai Mouraria, estreada no Teatro República. Grava discos, vendidos em vários países, motivando grande interesse das companhias de Hollywood. Em 1947 estreia no cinema com o filme Capas Negras, o filme mais visto em Portugal até então, ficando 22 semanas em exibição. Um segundo filme, do mesmo ano, é Fado, História de uma Cantadeira. Amália é apoiada por artistas nacionalistas como Almada Negreiros e António Ferro. Esse a convida pela primeira vez a cantar em Paris, no Chez Carrère, e em Londres no Ritz, em festas do departamento de Turismo que o próprio organiza. A internacionalização de Amália aumenta com a participação, em 1950, nos espectáculos do Plano Marshall, o plano de apoio dos EUA à Europa do pós-guerra, em que participam os mais importantes artistas de cada país. O êxito repete-se por Trieste, Berna, Paris e Dublin (onde canta a canção Coimbra, que, atentamente escutada pela cantora francesa Yvette Giraud a populariza em todo o mundo como Avril au Portugal). Em Roma, Amália atua no Teatro Argentina, sendo a única artista ligeira num espectáculo em que figuram os mais famosos cantores da chamada música clássica. Canta em todo os cantos do mundo. Passa pelos Estados Unidos onde canta pela primeira vez na televisão (na NBC), no programa do Eddie Fisher. Grava discos de fado e de flamenco. Amália dá ao fado um novo fulgor. Canta o repertório tradicional de uma forma diferente. Sintetizando o que é rural e urbano. Canta os grandes poetas da língua portuguesa (Camões, Bocage) além dos poetas que escrevem por ela (Pedro Homem de Mello, David Mourão Ferreira, Ary dos Santos, Manuel Alegre, O’Neill). Conhece também Alain Oulmain que lhe compõe várias canções. O seu Fado de Peniche é proibido por ser considerado um hino aos que se encontram presos em Peniche, Amália escolhe também um poema de Pedro Homem de Mello, “Povo que lavas no rio” que ganha uma dimensão política. Em 1969, Amália é condecorada pelo novo Presidente do Concelho, Marcelo Caetano, na Exposição Mundial de Bruxelas antes de iniciar de uma grande digressão à antiga União Soviética. Com a chegada da democracia são-lhe prestadas grande homenagens, é condecorada com o grau de oficial da Ordem do Infante D. Henrique pelo então presidente da República Mário Soares. Em 1990, em França, depois de ter recebido a Ordem das Artes e das Letras, recebe, desta vez das mãos do presidente Mitterrand, a Légion d’Honneur. Em 1997 é editado pela Valentim de Carvalho o seu último álbum com gravações inéditas realizadas entre 1965 e 1975 (Segredo). A 6 de Outubro de 1999, Amália Rodrigues morre com 79 anos, pouco depois de regressar da sua casa de férias no litoral alentejano. Sepultada no Cemitério dos Prazeres, o seu corpo é posteriormente trasladado para o Panteão Nacional, em Lisboa, onde repousam as personalidades consideradas expoentes máximos da nacionalidade. Amália Rodrigues representou Portugal em todo o mundo, de Lisboa ao Rio Janeiro, de Nova Iorque a Roma, de Tóquio à União Soviética, do México a Londres, de Madrid a Paris (onde actuou imensas vezes no muito prestigiado Olympia). Divulgou acima de tudo, a cultura portuguesa em todo seu explendor. [Fonte: wikipedia]

Became known worldwide as the Queen of Fado and therefore due to the symbolism that this genre has in Portuguese culture, was considered by many as one of the best ambassadors of the country. Appeared in several television programs throughout the world, where not only sang fado and other Portuguese folk music tradition, such as music from other sources (eg, Spanish music). Your facet of singer reveals itself early. In childhood and youth, sang tangos of Carlos Gardel and folk songs he heard and asked him to sing. At 14 he decides to live with parents who however returned to Lisbon. At age 15, will sell fruit for Rock Pier and becomes noticeable due to the very special tone of voice. Integrates the Popular March Alcantara (in the festivities of Santo António de Lisboa) 1936. Tester Gait insists that Amalia sign a proof of talent discovery, called the Spring Contest in which they disputed the title of Queen of Fado. Amalia eventually not participate because all other competitors refused to compete with her. Achieves tremendous success in Retiro da Severa, which makes his professional debut and becomes the superstar of fate with remarkable rapidity. Shall also act in the Solar da Alegria and Café Luso. Being the best known of all the singers of fado name, makes acted where the jitneys run out, inflating the price of tickets. In a few months reaches such recognition and popularity that its cachet is the largest ever paid singers. Debut in vaudeville in 1940 as part of attraction You Go Now, in Maria Victoria Theatre. In the theatrical milieu meets Frederico Valerio, composer of many of their fates. In 1943 acts for the first time outside Portugal at the invitation of Ambassador Peter Pereira Theotonius, which leads her to sing in Madrid. In 1944 achieves a prominent role alongside Herminia Silva, the operetta Rose Cantadeira, where he plays Fado's Jealousy of the Frederick Valerius. In September, arrives in Rio de Janeiro accompanied by Maestro Fernando de Freitas to perform at the Copacabana Casino. At 24 Amalia already have a show designed exclusively for it. It's in Rio de Janeiro that Frederick Valerius composed one of the most famous fates of all time: Ai Moorish, premiered at the Theatre Republic. Burns discs sold in several countries, prompting great interest from companies in Hollywood. In 1947 film debut with the film Capas Negras, the most watched film in Portugal until then, getting 22 weeks on display. A second film, of the same year, is Fado, Story of a Cantadeira. Amalia is supported by nationalists such artists as Anthony Almada Negreiros and Iron. This invites the first to sing in Paris at Chez Carrère and in London at the Ritz, in celebrations of Tourism organizes the department itself. The internationalization of Amalia increases with participation in 1950, shows us the Marshall Plan, the plan of U.S. support to post-war Europe, attended by the most important artists of each country. The success has been repeated Trieste, Bern, Paris and Dublin (where he sings the song Coimbra, who listened intently by the French singer Yvette Giraud popularized worldwide as Avril au Portugal). In Rome, Amalia works at the Teatro Argentina, with the only slight artist in a show that included the most famous singers of the so-called classical music. Sing around the corners of the world. Passes through the United States where she sings for the first time on television (NBC), Eddie Fisher in the program. Burns discs fado and flamenco. Fado Amalia gives a new glow. Sing traditional repertoire differently. Synthesizing what is rural and urban. Sings the great Portuguese poets (Camoes, Bocage) in addition to the poets who write for it (Pedro Homem de Mello, David Mourão Ferreira, Ary dos Santos, Manuel Alegre, O'Neill). Alain Oulmain also know that you compose several songs. Your Fado Peniche is forbidden because it is considered an anthem for those who find themselves trapped in Peniche, Amalia also chooses a poem by Pedro Homem de Mello, "People who wash in the river" who wins a political dimension. In 1969, Amalia is honored by the new Chairman of the Council, Marcelo Caetano, the World Exhibition in Brussels before starting a major tour to the former Soviet Union. With the arrival of democracy are given him great honors, is awarded with the degree of Officer of the Order of Infante Dom Henrique by then president Mário Soares. In 1990, in France, after receiving the Order of Arts and Letters, receives, this time from President Mitterrand, the Légion d'Honneur. In 1997 is published by Valentim de Carvalho his last album with unreleased recordings made between 1965 and 1975 (Secret). On 6 October 1999, Amália Rodrigues died at 79 years old, shortly after returning from his holiday home in the Alentejo coast. Buried in the Cemetery of Pleasures, your body is then translated to the National Pantheon in Lisbon, where lie the personalities considered exponents of nationality. Amalia Rodrigues represented Portugal around the world, from Lisbon to Rio de Janeiro, New York to Rome, Tokyo to the Soviet Union, Mexico to London, from Madrid to Paris (where he performed many times in very prestigious Olympia). Released above all, the Portuguese culture in all its splendor. [Source: wikipedia]

Total Time: 46 min

Nenhum comentário:

Postar um comentário